terça-feira, 27 de outubro de 2015

SEU PARA O NATAL

SEU PARA O NATAL
Eu fico muito quieta, segurando uma caneta que não deveria estar tocando, no escritório de um homem que nunca conheci. O homem que está atrás de mim agora. O homem que tem a mão no meu quadril.
Ele é o meu novo chefe.
Eu poderia lutar, mas depois ele pode fazer perguntas. Pode saber mais sobre o meu registro criminal, o que não mencionei sobre o pedido de emprego. Então, o deixei me fazer gozar, mas ele quer mais. Precisa de mais, e por algum motivo eu quero dar-
lhe.
Mas se ele descobre sobre minha mentira, vou estar fora, nas ruas, ou de volta na cadeia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário